Frenemies

Friends + enemies = frenemies

Quando nasci, as primeiras palavras proferidas por meu pai foram: durante toda a vida, seus verdadeiros amigos serão poucos e você nunca chegará a contá-los em número maior do que o dos dedos de uma mão.

Sábio.

Ele quis dizer que, ao fim e ao cabo, todos acabaríamos passando a maior parte do tempo nos relacionando com centenas de pessoas que parecem amigos, mas que em verdade são frenemies.

Nada contra os frenemies.

Por serem ao mesmo tempo amigos e (veladamente) rivais, eles contribuem para o nosso desenvolvimento: estamos sempre atentos, tentando fazer o melhor. Tentando postar as coisas mais inteligentes no Facebook.

O problema é que, às vezes, por estarmos sempre às voltas com os frenemies, nos esquecemos de cultivar as verdadeiras amizades. O que é o mais completo absurdo.

A verdadeira amizade é 100% desinteressada. Um valor que quero legar aos meus filhos.

——-

Leia:

O vídeo da discórdia, The innocence of Muslims

TED is bullshit [fiction]

No banheiro com Henry Miller

Diferença entre atriz pornô e prostituta, por Stoya

Minha conversa com Talese, um mestre do jornalismo

Os incríveis fotógrafos do Krouchev Planet Photo

Mailer daria palmadas no bumbum das slutwalkers

Marcha das Vadias, bobagem de meninas classe média

Lili St. Cyr, a primeira bombshell

Monte sua biblioteca com o método prático Paulo Francis

O fantasma de Paulo Francis

Coração Liberal Capítulo 1

Coração Liberal Capítulo 2

Coração Liberal Capítulo 3

Coração Liberal Capitulo 4

Coração Liberal Capítulo 5

Coração Liberal Capítulo 6

A pupila e o mestre, por Ian McEwan

São Paulo, túmulo do rock e da literatura

O efeito “Quero Ser John Malkovich” dos blogs

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta