George Lois fez arte nas capas da Esquire nos 60′s

Em 1965, as feministas estrilaram com a capa da bela Virna Lisi

George Lois, o homem que liderou a revolução criativa da publicidade americana nos anos 1960, foi escolhido pelo legendário editor Harold Hayes para desenvolver nova linguagem visual para Esquire, revista que registrou as profundas transformações da cultura americana, publicando textos dos mais brilhantes autores do Novo Jornalismo – outra revolução da época.

Lois inovou no design de revistas com as 92 capas criadas entre 1962 e 1972. Concisas, quase todas as peças trazem imagens poderosas e conceitos que vão muito além da mera ilustração. Mais importante, fomentaram o debate público em torno de questões então controversas, como racismo, feminismo e a Guerra do Vietnã.

Em 2008, o Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA) adquiriu boa parte da coleção de capas produzidas por George Lois e as exibiu durante 11 meses em sua galeria de Arquitetura e Design, com curadoria de Christian Larsen.

As capas servem com uma linha do tempo visual para os turbulentos eventos dos anos 1960. Também por isso, tornaram-se referências iconográficas essenciais para todos os que vivem o fascinante mundo do design editorial.