Perrin, ex-estagiária da Paris Review, legado de Gourevitch

Vai dar uma olhada no blog da Perrin Drumm

É muito bem escrito o perfil do presidente francês Nicolas Sarcozy, assinado pelo jornalista Philip Gourevich originalmente em dezembro de 2011, na New Yorker, e agora oportunamente reproduzido pela Piauí.

Encontrei-me rapidamente com Gourevitch em 2006, quando participou da Flip (Hitchens e Lillian Ross eram as outras atrações) e passou pela Editora Abril para rápida palestra. Naquele ano foi lançada a edição de bolso de seu necessário livro sobre as atrocidades de Ruanda.

Gourevich ainda era editor da Paris Review, prestigiosa revista literária americana, muito conhecida pela publicação de entrevistas antológicas com alguns dos mais importantes escritores do século 20.

Gourevitch sucedeu ao elegantérrimo George Plimpton (1927 – 2003) na direção da revista. Seu mandato, polêmico, desagradou a parte do leitorado que não entendeu bem a proposta de modernização, que incluia fotos coloridas e textos mais curtos.

Mas o grande legado de Gourevitch, sem dúvida, foi a descoberta de um talento: Perrin Drumm @perrindrumm.

Quando terminou a faculdade, a moça se inscreveu no programa de estágio da Paris Review e foi chamada. Na época, o Gawker registrou a história.

Perrin não coloca no currículo, mas teve uma curta carreira de modelo e chegou a fazer trabalhos para o site da American Apparel, marca de roupas admirada por hipsters de todo o planeta. Eles têm loja em São Paulo, na Oscar Freire, são famosos pela estética amateur dos ensaios fotográficos.

Perrin hoje vive no Brooklin, fazendo frilas para diversas revistas. Gosta de arte, design, tipografia e bloga prolificamente em http://perrindrumm.wordpress.com/

Leia também:

Meninas da American Apparel não; o Beckham de cueca ok?

O mito Patrícia Serralha ou a garota dos sonhos da infância

As criancinhas sem pirulito da retratista Jill Greenberg

Um lindo poema de Wisława Szymborska (1923 – 2012)

Documentário de Simon Schama ensina a ver Rothko

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta