Já pensou no dia em que o Lula morrer? — Capítulo 4*

Coração liberal é só emoção. Não perca o próximo capítulo (se houver)

– Falou com ele?

– Falei, está louquinho o nosso internet man. As regras: no names, no questions, sex only.

– E ele topou?

– Topou. Mas não marcamos nada. Um dia vai rolar, tipo La belle de Jour. E sabe o que ele falou? Que vai mandar um recado pra você escrito na minha bunda.

– Tipo hotwife…

– Tipo mulher liberada.

– …

– …

– Hehehe (Walther)

– Hihihi (Mia)

– Bom… olha, o Pondé pelo menos não é petista chato que nem o povo da PUC.

– Mas ele dá aula na FAAP e na PUC, não? Acho que o projeto dele é ser proscrito da Folha. Aí vai ser a glória.

– E o Loyola, agora sério, está bem?

– Sim, me pareceu ótimo, está sempre trabalhando, escritor profissional. Como poucos, aliás. O maior escritor de São Paulo.

– Ah…, mas e a Lygia?

– A Lygia é o caso de autora que sobreviveu ao auge.

– Tenho um exemplar autografado d’As Meninas…

– É ótimo…

– …

– …

– Você não acha que está sendo injusta quando fala que São Paulo não tem escritores? Tem tanta gente escrevendo romances urbanos…O Galera, o Michel Laub, o João Gabriel, o Bernardo Caravalho inclusive em um romance sobre São Paulo, o Modernell; o Cuenca é carioca, né?

– O Galera, o Michel e o Modernell são gaúchos, o Bernardo e o Cuenca são cariocas. O João Gabriel é um caso complemente diferente, apesar de são-paulino, tem alma carioca.

– Mas o Galera não disse que nasceu em São Paulo?

– É, mas é gaúcho, conformação ética e temperamento de gaúcho.

– …

– …

– O Mario Sabino! Você gosta do Mario Sabino, não gosta?

– Gosto. Quer dizer, mais ou menos. Quer dizer, gosto.

– Hehehe

– …

– Fiquei pensando ontem, descobri um autor, John… Jeremiah Sullivan.

– (Djeremáia)

– Isso, (Djeremáia), ótimo, alguém precisa traduzir logo.

– É sobre o quê?

– Ensaios. Os ensaios andam melhor que a média da ficção. Viu que não teve Pulitzer de ficção em 2012?

– Não…

– Pois é, o principal concorrente era um livro póstumo, inacabado, do Foster Wallace.

–  …

– Você vai pra Flip esse ano?

– Não sei… a gente estava tentando vender um projeto de aplicativo pra eles, serviço, agregador de leituras e rede social, não é legal?

– Super…

– Não tenho mais muito saquitel para os filisteus de Paraty, vou falar a verdade…

– Putz, sabe que hoje recebi no inbox do celular um email do G1 escrito: “Morre aos 66 anos o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”. Era vírus. Fui checar nos portais, nada… Mas foi de manhã, li e comentei com a Janete na cozinha, ela ficou trêmula.

– Já pensou no dia em que o Lula morrer?

– Então, acho que o dia em que o Roberto Carlos morrer é que vai ser a comoção.

– Pelé não?

–Pelé? Pelé, não…

– Sílvio Santos?

– Olha, deve ter um parcela…mas, acho que não…

– Vamos dar uma pedalada?

– Não…tenho hora pra depilar daqui a pouco.

– Brazilian wax?

– A moça chama de “Depilação cavada”.

– Hehehe (Walther)

– Hihihi (Mia)

————————–

* este é o quarto capítulo da novela Coração Liberal, aberta à sua participação, caro leitor. Ajude a escrever o próximo capítulo no espaço reservado aos comentários do blog, que é generoso. O quinto capítulo não tem data (e nem obrigação de) para ser postado, vai depender. Segue em vermelho a colaboração do leitor XFactor, uma continuação possível escrita em 20/4, dando continuidade ao Capítulo 3. Muito bom. Nessa versão, Mia é ruiva. E pode mesmo ser, vamos ver.

– “Walther, eu lhe disse que não quero nenhum tipo de controle. Assuma seu papel de cuckold e cale-se. E, claro, traga outro Cosmo, porque meu copo está seco…”, disse Mia, num instante de dominatrix, aliás, ultimamente, elas se tornavam cada vez mais comuns.  A caminho da copa, Walther passou pelo enorme espelho da biblioteca. “Quantas vezes já me vi refletido nessa superfície e nunca entendi o que via”, murmurava, enquanto seus olhos semi-míopes observavam suas marcas de expressão.

Ao retornar para sala, encontra sua private pinup nua. O cabelo, agora num ruivo a La Juliane Moore, o fascina de tal maneira que ele derruba bandeja e drinque no chão.  Ela se mantém fria (mas como ela pode se manter assim após tantos anos de casamento?). Um estrondo o tirou desse devaneio: um homem moreno, alto, de veias saltadas no pescoço grosso e cútis de quem jamais havia usado as máscaras da classe média de pele pálida surge na porta. Ele treme. Suas mãos suam.

Mia dá um sorriso e, gentilmente, toca com a ponta de seu salto alto a taça quebrada no chão. Walther decide pegar os cacos para que os pés alvos de sua fêmea não se cortem e encharquem o tapete de sangue e fluídos.  O espelho da biblioteca agora está na sala: Walther se enxerga de quatro no chão, limpando cacos de cristal, limpando suas vergonhas. À frente dele, uma mulher de pernas abertas e tesão latente. Atrás do homem: outro homem, mostrando, sem constrangimentos, o poder do falo supremo. Ele, ali no meio, apenas de olha no espelho. Decide, então, apertar um caco com forças e sentir a dor. Agora, sim, ele sorri e se sente pronto para o que vier.

(to be continued)

Leia também:

Capítulo 1

Capítulo 2

Capítulo 3

Meninas da American Apparel não; o Beckham de cueca ok?

O mito Patrícia Serralha ou a garota dos sonhos da infância

As criancinhas sem pirulito da retratista Jill Greenberg

Um lindo poema de Wisława Szymborska (1923 – 2012)

Documentário de Simon Schama ensina a ver Rothko

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta