A pupila e o mestre, por Ian McEwan

Hoje de manhã fizemos esta imagem (o Theo e eu estamos no reflexo) da gravura que fica perto da porta da entrada de casa. É uma das dezenas de chapas da Suite Vollard e trata rigorosamente do mesmo assunto do conto do McEwan: é arrebatador e invariavelmente dá errado no fim

Conto de Ian McEwan na New Yorker (30/4). O cara é bom, fico deprimido. Na edição digital vem com o áudio dele lendo, so much fun. É a narrativa arquetípica da menina e o amante tiozão, da pupila e do mestre, enfim, sabe?, ela está começando a ler e a descobrir o mundo. Seu nome é Serena, olha só um trecho:

“Como amante? Bem, obviamente não tão energético quanto Jeremy. E apesar de que Tony pudesse estar em boa forma para sua idade, fiquei meio assim quando vi pela primeira vez o que 54 anos podem fazer a um corpo. Ele estava sentado na beirada da cama, dobrando-se para tirar a meia. Seu pé descalço parecia um velho sapato usado. Vi dobras de carnes em lugares improváveis, mesmo embaixo de seus braços. Estranho não ter me ocorrido que eu estava ali olhando para o meu futuro. Eu tinha 21 anos”.

Leia tudo aqui

——————————————————————————

Leia também:

Coração Liberal Capítulo 1

Coração Liberal Capítulo 2

Coração Liberal Capítulo 3

Coração Liberal Capitulo 4

São Paulo, túmulo do rock e da literatura

O efeito “Quero Ser John Malkovich” dos blogs

Pai da violinista chinesa nua pode perder o emprego

Meninas da American Apparel não; o Beckham de cueca ok?

O mito Patrícia Serralha ou a garota dos sonhos da infância

As criancinhas sem pirulito da retratista Jill Greenberg

Um lindo poema de Wisława Szymborska (1923 – 2012)

Documentário de Simon Schama ensina a ver Rothko

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta