Talese sorveu a ficção de Hemingway e Fitzgerald

Ocean City, New Jersey, cidade natal

Na introdução de The Silent Season of a Hero, coletânea de seus textos sobre o mundo dos esportes, Gay Talese faz questão de dizer, mais uma vez, o quanto foi influenciado pelos autores de ficção. Notadamente Hemingway, Fitzgerald, John O’Hara e Irving Shaw.

Talese não escreveu uma linha de ficção, mas seus textos estão cheios de passagens que parecem ter sido tiradas de romances.

Ele recorda, a certa altura, entre comentários sobre o processo de escrita do famoso perfil que fez de Joe DiMaggio — grande nome do baseball que se casou com Marilyn Monroe e jamais se recuperou após o fim do relacionamento –, uma história de Scott Fitzgerald chamada Winter Dreams, sua favorita, cujo persoanagem, Dexter Green, expressa o sentimento do amor impossível mais ou menos assim:

“Ela não era o tipo de garota que você ‘ganha’, no sentido cinético do termo. Ela só se entretinha verdadeiramente com a satisfação de seus próprios desejos e com o exercício do próprio charme. Pode ser que, depois de tanto amor juvenil, de tantos jovens amantes, ela vinha agora, em autodefesa, nutrir-se inteiramente de seu interior.”

É algo que poderia ser dito sobre Marilyn Monroe, sem dúvida.

Biógrafos de Fitzgerald dizem que a tal moça impossível (Judy Jones) muito provavelmente existiu na vida real do autor.

Talese menciona seu primero amor e a dor de ter sido trocado por outro. Diz isso tão francamente no prólogo deste livro, muito revelador.

Fiztgerald, DiMaggio,Talese, que sentimento é esse?

A literatura é incapaz de transformar o curso dos acontecimentos. Mas só por meio dela é possível tratar de mimosidades que, às vezes, dão algum sentido às nossas precárias existências.

Talese sempre soube.

———————————-

Leia também:

Marcha das Vadias, bobagem de meninas classe média

Lili St. Cyr, a primeira bombshell

Monte sua biblioteca com o método prático Paulo Francis

O fantasma de Paulo Francis

Coração Liberal Capítulo 1

Coração Liberal Capítulo 2

Coração Liberal Capítulo 3

Coração Liberal Capitulo 4

Coração Liberal Capítulo 5

Coração Liberal Capítulo 6

A pupila e o mestre, por Ian McEwan

São Paulo, túmulo do rock e da literatura

O efeito “Quero Ser John Malkovich” dos blogs

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta