Kiki de Montparnasse, mulher liberada e musa

Você conhece a graphic novel Kiki de Montparnasse, de Catel Muller e José-Louis Bocquet’s, publicada no Brasil pela Record?

Kiki foi casada com Man Ray durante sete anos. É famoso o retrato surrealista que ele fez dela, de costas, com intervenções gráficas na fotografia, Le violon d’Ingres

É sobre Alice Ernestine Prin, a.k.a Kiki, a garota do interior que conquistou os palcos de Paris e tornou-se musa de uma geração de artistas nos anos 20 e 30. Entre os admiradores, Picasso e Modigliani.

Sur la herbe

Kiki foi uma das primeiras mulheres emancipadas do século 20. Modelo, vedete, cantora, pintora, viveu suas vontades e paixões livremente.

Le violon d’Ingres, de Man Ray

Roubei esse gif pra você. Não é ótimo?

———————————-

Leia também:

Minha conversa com Talese, um mestre do jornalismo

Os incríveis fotógrafos do Krouchev Planet Photo

Mailer daria palmadas no bumbum das slutwalkers

Marcha das Vadias, bobagem de meninas classe média

Lili St. Cyr, a primeira bombshell

Monte sua biblioteca com o método prático Paulo Francis

O fantasma de Paulo Francis

Coração Liberal Capítulo 1

Coração Liberal Capítulo 2

Coração Liberal Capítulo 3

Coração Liberal Capitulo 4

Coração Liberal Capítulo 5

Coração Liberal Capítulo 6

A pupila e o mestre, por Ian McEwan

São Paulo, túmulo do rock e da literatura

O efeito “Quero Ser John Malkovich” dos blogs

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta