Fernanda Branco Polse, mineira performática

Conheci Ana Ariel Ariana em 2011. É uma artista de vinte e poucos anos que acabou de terminar os cursos de jornalismo, pintura e fotografia em Belo Horizonte. Falamos por quinze minutos, se tanto. Gostei dela desde o primeiro momento.

Agora nos encontramos de novo, virtualmente, falamos no Facebook e trocamos e-mails. É notável a sua evolução. No primeiro semestre de 2012, expôs no Museu Alfredo Andersen, em Curitiba, e eu gosto que ela continue com a pintura, que resista à tentação de dedicar-se exclusivamente às perfomances.

Ela trocou de nome, agora é Fernanda Branco Polse. Que é um super nome, diga-se. Não é?

Não sei se chupo ou dou risada. Fernanda Branco Polse e Inácio Mariane. Performance, 2011

Tudo em Fernanda Branco Polse é fugidio, instável, inconstante e impermanente. Sua arte deriva de Cindy Sherman que, tenho notado, é fonte de inspiração — uma espécie de matriz – para jovens artistas brasileiras. Também o travestismo de Warhol está ali presente entre tantas outras referências.

Em algumas das séries de imagens subjaz um discurso político de orientação feminista. FBPolse quer brincar na fronteira entre arte e erotismo da representação do corpo feminino e está atenta às questões políticas adjacentes. Mas isso é coisa para pensar. Por enquanto, você precisa ver. Vá lá no tumblr

http://fernanda-branco-polse.tumblr.com/

– Por que você gosta tanto de mudar de nomes, FBPolse?

– Tem gente que não entende porque eu gosto tanto de mudar de nomes. Eu falo que é porque eu não sei quem sou então então prefiro ser outra. Não ser você por um triz. A pessoa me olha insossa. Acho que é porque essa coisa de eu ser você é meio essencialista demais, aposto que você também não sabe quem você é. Por que estou escrevendo tudo isso mesmo? São 0:55 e amanhã às 7h pego um voo para Santiago. Vou dormir. Sonhe comigo. O teu silêncio comunica-se com o meu não dito. Sonhei com você. Eu estava coberta de penas encostada na janela. Você estava nu. E com uma cara tão desconexa. De repente eu só consegui pensar: não sei se chupo ou se dou risada. Antes de decidir eu já estava dentro do avião. Eu tenho pressa.

– Não tenha tanta pressa, FBPolse.

—————-

Leia também:

Diferença entre atriz pornô e prostituta, por Stoya

Minha conversa com Talese, um mestre do jornalismo

Os incríveis fotógrafos do Krouchev Planet Photo

Mailer daria palmadas no bumbum das slutwalkers

Marcha das Vadias, bobagem de meninas classe média

Lili St. Cyr, a primeira bombshell

Monte sua biblioteca com o método prático Paulo Francis

O fantasma de Paulo Francis

Coração Liberal Capítulo 1

Coração Liberal Capítulo 2

Coração Liberal Capítulo 3

Coração Liberal Capitulo 4

Coração Liberal Capítulo 5

Coração Liberal Capítulo 6

A pupila e o mestre, por Ian McEwan

São Paulo, túmulo do rock e da literatura

O efeito “Quero Ser John Malkovich” dos blogs

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta