Food porn

Nigella Lawson e o fettuccini: o mais puro food porn

Food porn, diz a Wikipedia, é a representação “sensual” da comida ou do ato de comer nos comerciais, nos programas de culinária e no Instagram. Ou também mostrar provocativamente alimentos com alto teor calórico e pratos exóticos que despertem o desejo de comer. (água escorrendo, slow motion, gotas de vapor, brilho de gordura, fumaça sinuosa). Ou, em outra acepção possível, a glorificação dos alimentos como substitutos para o sexo.

Alimentos substitutos para o sexo? Alguém pode explicar, por favor?

Food porn é uma tentativa de sensualizar o bife. O que é o mais completo absurdo. Espero que não seja para depois bani-lo. Você sabe que daqui a pouco, por força de lei, será bem difícil comprar uma coca-cola tamanho família em restaurante de fast food em Nova York? Refrigerante grande não vai poder. Em breve, por aqui.

Preste atenção, tudo termina aí: o Estado passará a normatizar, a estabelecer para o cidadão comum o conceito de grande.

Acabou-se o que era doce.

——-

Leia também:

No banheiro com Henry Miller

Diferença entre atriz pornô e prostituta, por Stoya

Minha conversa com Talese, um mestre do jornalismo

Os incríveis fotógrafos do Krouchev Planet Photo

Mailer daria palmadas no bumbum das slutwalkers

Marcha das Vadias, bobagem de meninas classe média

Lili St. Cyr, a primeira bombshell

Monte sua biblioteca com o método prático Paulo Francis

O fantasma de Paulo Francis

Coração Liberal Capítulo 1

Coração Liberal Capítulo 2

Coração Liberal Capítulo 3

Coração Liberal Capitulo 4

Coração Liberal Capítulo 5

Coração Liberal Capítulo 6

A pupila e o mestre, por Ian McEwan

São Paulo, túmulo do rock e da literatura

O efeito “Quero Ser John Malkovich” dos blogs

Você é sanguíneo, fleumático, colérico ou melancólico?

Safran Foer, vegetarianismo e carne humana insepulta